Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Só Desta Vez

Só Desta Vez

03
Mar19

Mercúrio visto de longe.

desta vez

Mercúrio pára, e retrocede, a partir de 5 deste Março e volta a ser visto a navegar direitinho a partir de 28... li que isto implica paragens, avarias, negações, contrariedades. Mas alguém escreveu também que o vento, a chuva, e os planetas, vivem naturais e livres.

Não será a nossa crispação que faz o vento rugir quando ele apenas vive, a chuva pesar quando ela só conversa, e Mercúrio retroceder quando meramente abranda?

O que importa se não conseguirmos ser perfeitos nos nossos compromissos, se não temos coragem de fazer a sopa da semana que vem, se por vezes compreender o que é amor implica viver uma noite inteira sem respostas fáceis ou não conseguir sorrir com o Sol de um dia de Inverno?

Cuidar de nós é respeitar os sinais de respeito que o nosso coração, só ele, nos sabe mostrar.

Mesmo que o amor e a casa fiquem em desalinho e com os pés frios, não deixem de ser o que vos faz bem. Ouviste, Mercúrio? Não corras por nós.

 

 

24
Fev19

Milagre.

desta vez

São 20:48 de 24 do 2, e está a dar uma série, ou filme, na RTP2 que me fez acreditar outra vez que é possível conhecer alguém interessante, viva, complicada, real. Que me lembre de que vale a pena sentir. E eu que já tinha desistido da televisão. Não sei qual é o título.

 

24
Fev19

Não lavar a roupa hoje.

desta vez

Um Sol incrível, fome de ir almoçar fora, enfiar sapatos de Verão em Fevereiro, uma casa nova a sorrir no horizonte, nova para criar....

Lavo a roupa depois. Aposto que esta senhora concorda.

 

 

23
Fev19

Refugiado na minha terra.

desta vez

No último dia de Dezembro de 2018 recebi uma carta, registada e legal, que me dizia que para continuar a viver onde vivia tinha de pagar mais.

Foi-me garantido, com indignação, que não se tratou de um despejo. Não!

Foi-me comentado que pagar mais era lógico. Sim.

Mas agora estou à espera de ir embora de um sítio que foi a minha casa.

Só me sinto bem na rua, onde ninguém vê a minha vergonha à espera de uma caixa de cartão e de fita adesiva.

 

23
Fev19

Uma noite feita de Sábados

desta vez

- O que é que fazes este Sábado?

- Sábado? Qualquer coisa.

Há alguém a quem não telefono porque esse alguém quer estar comigo de uma forma que eu não quero.

Há alguém a quem não telefono porque esse alguém acha que eu quero estar com ela de uma forma que nenhum de nós quer.

Há alguém a quem não posso telefonar.

Há alguém a quem não quero falar.

Há milhões de solidões na cidade, atrás das luzes orgulhosas da noite de Fevereiro.

Há milhares de gargalhadas, centenas de óptimas conversas e dezenas de casais que podiam nascer nos milhões de solidões que se roçam hoje á noite. Que é Sábado á noite.

Há uma multidão de solidões que suspiram de alívio pelo seu silêncio e pela sua livre, digna e solitária noite de Sábado.

E daqui a cinco anos, diremos (para nós próprios): - Se eu pudesse voltar áquela noite de Sábado, seria uma gargalhada, uma óptima conversa, um casal.

E daqui a cinco anos, diremos (para nós próprios): - Se eu pudesse voltar áquela noite de Sábado, seria uma livre, digna, e solitária, noite de Sábado.

 

- E o que fizeste, nesse Sábado, há cinco anos?

- Nesse Sábado? Qualquer coisa.

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub